Notícias
08 Mar. 2019 Visita guiada à Igreja da Misericórdia de Guimarães Obras de Talha em Guimarães motiva visita guiada à Igreja da Misericórdia de Guimarães, seguida de debate no Museu de Alberto Sampaio. Evento
‘A obra de talha em Guimarães nos séculos XVII e XVIII’ é o tema de uma iniciativa que vai ser promovida no próximo dia 16 de março e que inclui uma visita guiada à Igreja da Misericórdia de Guimarães, seguida de uma palestra/debate no Museu de Alberto Sampaio (MAS). O evento é promovido pelo ARTIS – Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e conta com a colaboração do MAS. 

A participação é gratuita. 


PROGRAMA

14h30 
Visita guiada à Igreja da Misericórdia, por António José Oliveira
Local: Largo da Misericórdia (junto ao Largo do Toural)

15h00
Início da conversa/debate
Local: Museu de Alberto Sampaio

Sessão 1
A obra de talha em Guimarães e artistas
(marceneiros, entalhadores, torneiros, ourives…)

Sessão 2
Arte e técnicas de construção

16h15
Pausa para café

16h30
Retoma dos trabalhos

Sessão 3
Transversalidade dos ofícios: o púlpito da Igreja da Misericórdia 
(desenhado por um ourives e esculpido por um entalhador)

17h30 
Conclusão dos trabalhos


Participantes:
António José Oliveira (CITCEM, UPorto)
Rosa Maria Mota (Universidade Católica)
Eduardo Pires de Oliveira (ARTIS – IHA, FLUL)
Pedro Vasconcelos Cardoso (Universidade Católica do Porto)

Moderação:
José Vieira Gomes (ARTIS – IHA, FLUL)


ENQUADRAMENTO DA TEMÁTICA

‘O estudo dos contratos de obra permitiu-nos a datação da maior parte dos retábulos ainda hoje existentes em Guimarães, a identificação de quem encomendou e financiou a obra; o entalhador, o escultor, o imaginário, o dourador e o pintor, entre outros, responsáveis pela sua execução; qual a sua origem e residência; os fiadores; as alterações levadas a termo das obras de talha; o custo da obra; o tipo de madeiras utilizado, entre muitas outras coisas.
As entidades que patrocinaram este surto construtivo, no período considerado, foram: Cabido da Colegiada, Conventos masculinos e femininos, Ordens Terceiras, Misericórdia e Irmandades. Destaca-se também o mecenato do arcebispo D. José de Bragança que aqui fixou residência (1746-1748).’
António José Oliveira