Notícias
20 Fev. 2019 EUYO: Melhor resultado de sempre para Portugal A participação portuguesa na Orquestra de Jovens da União Europeia (EUYO) revelou-se, uma vez mais, um sucesso incontestável, com um excelente resultado - o melhor de sempre - nas últimas audições. Evento
Foram apurados 22 músicos portugueses para 2019 (12 como membros efetivos e 10 como reservas) e, pela primeira vez, um jovem músico português, Miguel Erlich, será o chefe de naipe de violas (16) da EUYO. Portugal é, deste modo, um dos países mais representados na Orquestra.

Como membros efetivos, foram selecionados: Lia Rafaela de Marcos e Melo (viola), António Fonseca (contrabaixo), João Vargas (contrabaixo), Lia Yeranosyan (violino), Mariana Lopes (violino), Miguel Erlich (viola), Pedro Marques (viola), Pedro Ribeiro (trompa), Sara Ferreira (violino), Inês Pais (violino), Francisco Lourenço (viola), Maria Nabeiro (violoncelo).

De destacar que, pela primeira vez, 12 músicos portugueses (estudantes do ensino superior, em escolas de música portuguesas e de outros países da Europa) integram a Orquestra como membros efetivos, o que corresponde a um aumento significativo relativamente à participação em anos anteriores. É também particularmente relevante a seleção do jovem músico português Miguel Erlich, com 23 anos, aluno do Professor António José Pereira, na Escola Superior de Artes Aplicadas em Castelo Branco, para chefe de naipe de violas.

Portugal integra a  EUYO desde 1986, sendo a Direção-Geral das Artes (DGARTES) a entidade responsável pela organização anual das audições no nosso país. Para esta temporada, inscreveram-se e prestaram provas nas audições prévias 380 jovens músicos, dos quais 30 foram apurados para a audição final, realizada em novembro de 2018, no Conservatório de Música do Porto. Integraram o júri das audições finais o Maestro Peter Stark (em representação da Orquestra), o violinista António Figueiredo e Dulce Brito (em representação da DGARTES).

Dirigida pelos maestros Vasily Petrenko e Bernard Haitink, a EUYO reúne os mais talentosos jovens instrumentistas de cada um dos 28 países da União Europeia, contando atualmente com 120 músicos. Fundada há mais de 30 anos, a Orquestra oferece, aos seus jovens instrumentistas, a oportunidade de trabalhar com professores de instrumento especializados, bem como a oportunidade de tocar em todo o mundo com maestros e solistas de renome. Os cursos encontram-se organizados num período de duas semanas de ensaios gerais e de naipes, com professores de orquestras e conservatórios da Europa, seguindo-se uma digressão de cerca de 10 concertos, que ocorre, geralmente, em agosto. Paralelamente à preparação para a digressão, o período de ensaios é preenchido com sessões de música de câmara, com atividades desportivas e outras atividades recreativas, permitindo aos jovens músicos tirar o melhor partido do trabalho a desenvolver, num ambiente multidisciplinar e multicultural. Os membros da orquestra poderão ainda integrar outras digressões durante a Páscoa de 2019.

Este ano, o calendário prevê uma digressão de Primavera, dirigida pelo maestro Vasily Petrenko, entre 24 de março e 25 de abril, e uma digressão de Verão, também dirigida pelo maestro Vasily Petrenko e por Stéphane Denève (diretor musical da Brussels Philharmonic), entre 8 de julho e 19 de agosto. Estas digressões incluem atividades e concertos em Itália (Ferrara, Milão, Udine, Bolzano), Omã (Muscat), Áustria (Grafenegg, Viena), Alemanha (Saarbrücken, Berlim), Holanda (Amesterdão) e Luxemburgo.

A participação portuguesa é apoiada pela República Portuguesa – Cultura / Direção-Geral das Artes e pelo Instituto Camões/ Ministério dos Negócios Estrangeiros.