Notícias
30 Jul. 2019 Casa das Artes: Ciclo de Cinema ao Ar Livre Organizado pelo Cineclube do Porto em parceria com a Direção Regional de Cultura do Norte, o Ciclo de Cinema ao Ar Livre «As Noites de Boris» decorre, este ano, pela primeira vez, nos jardins da Casa das Artes, no Porto.

O Ciclo decorre todas as quartas-feiras ao longo do mês de agosto (dias 7, 14, 21 e 28), sempre às 22 horas, com entrada livre.

«As Noites de Boris» – Ciclo de Cinema ao Ar Livre nasceu em 2016, numa iniciativa do Cineclube do Porto, o mais antigo da Península Ibérica e um dos mais antigos da Europa, que continua a marcar o panorama cinematográfico da cidade do Porto, com programação mensal regular na Casa das Artes.

A parceria estabelecida, este ano, para acolher o Ciclo de Cinema ao Ar Livre é, assim, uma natural sequência do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido ao longo dos últimos anos entre a Direção Regional de Cultura do Norte e o Cineclube do Porto.

A programação abre, dia 7, com o Best of Curtas, uma seleção das melhores obras exibidas na 27ª edição do Festival Internacional de Cinema de Vila do Conde.       

Na semana seguinte, dia 14, serão exibidas algumas curtas-metragens de realizadores com ligações ao Porto, destacando-se a estreia, na cidade, do filme Flutuar do portuense Artur Serra Araújo.              

No dia 21, será a vez do BEAST WARM UP, uma antevisão do Festival de Cinema da Europa de Leste que se realizará de 28 de setembro a 6 de outubro.

No dia 28, a programação está entregue à Casa da Animação com destaque, claro, para o cinema de animação.

PROGRAMAÇÃO

Quarta-feira, 7 | 22h

BEST OF CURTAS

MESA PARA DOIS NO CARPA - DAVID BRUNO

de Francisco Lobo (pt | 3’)

Esta é uma viagem visual, sentimental e literal pelos lugares de Mafamude que a canção de David Bruno evoca. Através de uma série de planos fixos que se sucedem num encadeamento ele próprio musical, visitamos os cenários que mais tarde farão o roteiro de uma promessa de uma noite romântica. Mesmo antes de ouvir a proposta, já estamos convencidos por esta construção de uma mitologia própria e a reconquista de um imaginário reconhecível. Estamos nos subúrbios e afinal, os neons, os prédios e o drivethrough podiam ser em New Jersey, mas são em Vila Nova de Gaia.

PURPLEBOY

de  Alexandre Siqueira (pt/fr/be | 13’)

No princípio era o verbo. Enquanto semeiam um grão na terra, um homem e uma mulher discutem sobre a possível identidade de género desse grão, reproduzindo estereótipos sociais e culturais. ("É macho, pó...) que estão normalizados nas nossas sociedades contemporâneas. À medida que cresce, Oscar vai-se sujeitando a diversos constrangimentos, uns mais simbólicos, outros mais explícitos, e acompanhamos os dilemas próprios de quem procura construir uma identidade enquanto tenta corresponder às expectativas exteriores. "Purpleboy” é uma animação que aborda, de forma poética e afetiva, uma realidade cultural complexa, e cada vez mais fraturante em várias sociedades mais conservadoras. Esta é a estreia absoluta de Alexandre Siqueira no Curtas Vila do Conde, mas "Purpleboy” conta já no seu curriculum com o importante prémio Arte do MIFA Pitching do prestigiado Festival internacional du film d’animation D’Annecy, o mais importante do Cinema de animação.

 

PANIQUE AU VILLAGE – LA FOIRE AGRICOLE

de Stéphane Aubier, Vicent Patar (be/fr | 26’)

Como recompensa pelos seus bons resultados na escola, Cavalo oferece a Índio e Cowboy bilhetes VIP para a feira agrícola, mas uma queda que o leva ao hospital faz com que Cavalo fique temporariamente amnésico e se esqueça onde guardou os bilhetes. Este é o mote para mais um episódio desta saga rural invulgarmente absurda, a cuja imaginação delirante é difícil resistir. Patar & Aubier atingiram em 2012 notoriedade universal com a longa-metragem "Ernest & Celestine”, mas há quase três décadas que desenvolvem as suas personagens alucinantes, com um sentido de humor que alia uma loucura um pouco ingénua e inocente a um carácter poético-surrealista tipicamente belga. O Curtas Vila do Conde vem apresentando em competição desde 1996 as suas mais emblemáticas criações, como as séries "Pic Pic André Shoow” ou esta "Panique Au Village”.

 

LOS QUE DESEAN

de Elena López Riera (su/es | 23’)

Elena López Riera documenta algumas das regras e procedimentos de uma invulgar competição columbófila que se realiza na sua terra natal, no sudeste de Espanha, e em que o pombo vencedor é aquele que consegue atrair a única fêmea do bando e passar o maior tempo possível junto dela, em voo ou no solo. Os árbitros da competição conhecem os pássaros pelos nomes – alguns tão inusitados como Ford Fiesta, Laranja Mecânica ou Insert Coin – e distinguem-nos através das cores garridas com que os criadores os pintam. "Los Que Desean” regista o investimento e a dedicação com que os participantes, todos homens e de várias gerações, treinam os seus pombos para uma competição baseada não na rapidez, mas no desejo, uma elegante metáfora que invoca subtilmente os temas da masculinidade e da sedução nas comunidades patriarcais do Mediterrâneo. Um encontro entre o ancestral e o contemporâneo em que tradições tão familiares para os locais se revelam extraordinárias aos olhos de estranhos. "Los Que Desean” marca a estreia de Elena López Riera no Curtas Vila do Conde.

 

NEFTA FOOTBALL CLUB

de Yves Piat ( fr | 17’)

Na sua primeira participação no Curtas Vila do Conde, o realizador francês Yves Piat utiliza uma história fictícia para nos demonstrar como se comportaria a inocência de uma criança de 5 ou 6 anos. Amante de futebol, Abdallah encontra no deserto, juntamente com o seu irmão, uma mula que transportava droga, mas que ele acredita ser detergente. De forma ingénua, Abdallah resolve utilizar o suposto detergente para desenhar as linhas de marcação no seu campo de futebol, para assim poder jogar futebol com os seus amigos.

 

Quarta-feira, 14 | 22h

PRONÚNCIA DO NORTE

curtas de realizadores com ligações à cidade do Porto.

 

DECLIVE

de Eduardo Brito (pt | 7’)

Depois, uma casa vai parecer esperar-te: como num declive, esta é uma história inclinada sobre a memória dos lugares e das coisas, sobre regressos e recomeços.

 

AUSSTIEG

de Jorge Quintela ( pt/al | 8’)

Um filme de bolso num comboio entre duas estações em Berlim.

 

DE ONDE OS PÁSSAROS VÊEM A CIDADE

de André Tentugal (pt | 10’)

Num último andar de um prédio alto, uma mulher vive obsessivamente a sua memória. Pássaros pairam lentamente sobre esse tempo que já não é. Lá no alto, de madrugada em madrugada, estilhaços de uma vida erguem a necessidade de agir perante o ermo da solidão.

 

O HOMEM ETERNO

de Luís Costa (pt | 15’)

Bernardino Fernandes emigrou para o Canadá em 63. Ao longo de duas décadas filmou centenas de bobines Super 8, organizando-as de forma metódica e obsessiva. O Homem Eterno termina um processo antigo, transformando a vontade de cinema de Bernardino num filme sobre as imagens da sua memória.

 

FLUTUAR

de Artur Serra Araujo  (pt| 12’)

Numa noite amena de lua cheia, um grupo de amigos joga cartas num terraço sobre a praia. Ao longe e em pleno mar, algures entre o erotismo e a violência, duas jovens flutuam sobre a banalidade do discurso e o absurdo das suas acções.

 

Quarta-feira, 21 | 22h

BEAST WARM-UP

PROGRAMAÇÃO A CARGO DO BEAST INTERNATIONAL FILM FESTIVAL.

 

THE SEAGULL

de Maria Popistasu e Alexandru Baciu (ro | 16’)

Enquanto alberga o seu pai doente, Laura descobre uma gaivota nas traseiras de casa, encontrando na salvação do animal uma desculpa para não enfrentar o problema real da aproximação da morte. 

 

MIA DONNA

de Paulo Ostrikov ( ukr | 16’)

A vida da sexagenária Oksana muda quando o seu marido Tolik se transforma num rapaz de 7 anos. Os médicos não encontram solução para este problema não havendo forma de o fazer regressar. 

 

ON TIME

de Jorė Janavičiūtė ( lit | 18’)

Julė tem 27 anos e está sempre atrasada para tudo. Julè está quase a terminar o seu curso para juiza, mas estes atrasos constantes estão a atrapalhar o seu sucesso. Numa tentativa de resolver o seu problema, Julè inicia aulas de condução, conhecendo Arturas, o instructor que a ajudará a clarificar as causas dos seus problemas.

 

COMPLEX SUBJECT

de Olesya Yakovleva ( rus | 26’)

Um professor misterioso vai trabalhar para uma cidade de provincia. De modos pretensiosos e com uma visão progressista das coisas, o professor não se assemelha muito ao estereótipo habitual mas os habitantes da cidade afeiçoam-se-lhe mais do que o próprio pensa.

 

Quarta-feira, 28 | 22h

CINEMA DE ANIMAÇÃO

programação a cargo da Casa da Animação ( a anunciar em breve)